Menu

ARTIGOS E INFORMAÇÕES SOBRE O MUNDO ONLINE

Aprenda a colocar seus vídeos no YouTube

O YouTube é um baú de vídeos  no qual o internauta pode procurar desde performances consagradas de Michael Jackson no início de sua carreira até pequenas produções caseiras feitas por usuários do serviço online.

No entanto, mais do que apenas assistir ao conteúdo do site, o interessante é poder atuar diretamente com as ferramentas que o serviço oferece, deixando um vídeo produzido por você, para que as pessoas acessem.

O primeiro passo é entrar no site do YouTube e se cadastrar, caso você ainda não tenha feito isso. Não demora muito. Basta clicar em “sign up”, que fica na parte de cima da tela, à direita, e colocar seu nome, e-mail e mais algumas outras informações.

Depois que o cadastro estiver pronto, clique em “my account” e um display de funções aparecerá. Ao lado esquerdo você verá um box nomeado de “vídeos”. Dentro dele estará um botão escrito “upload a new video”. Clique lá e você será direcionado a outra página no YouTube.

Nesta nova página você terá que escolher um título para seu vídeo, fazer uma descrição e classificá-lo da maneira que desejar. O serviço ainda pede que você selecione algumas palavras-chave (no campo que estiver escrito tags) para relacionar seu vídeo a buscas de outros usuários do YouTube. Em seguida, ainda na mesma página, escolha o idioma de apresentação do seu vídeo. As opções são: inglês, espanhol, japonês, alemão, chinês e francês.

Depois clique em “continue” na parte de baixo da página e você será direcionado para a segunda parte do processo de subir um vídeo.

Na segunda parte você verá uma caixa e ao clicar em “browse” você busca o vídeo que precisa estar salvo em seu computador. Dentro deste box, há também a informação de que o vídeo deve possuir, no máximo, 100 megabytes e durar no máximo dez minutos.

Certifique-se de que o vídeo que você esteja publicando não possua direitos autorais. A cada passo realizado, o site do YouTube avisa o usuário várias vezes para prestar atenção nesta questão.

Abaixo do box você terá duas opções de publicação do seu vídeo: para todos acessarem (Public) ou para apenas seus contatos cadastrados no YouTube (Private). O site recomenda o “public”, mas se você não quiser que todos assistam, utilize o private e depois escolha quem poderá assistir. Com as informações corretas preenchidas, clique em “upload video”.

A publicação pode demorar, dependendo do tamanho do vídeo. Mas você só terá a certeza de que ele foi publicado corretamente se receber a mensagem pelo site. Por isso, é necessário esperar.

Depois que estiver publicado é só avisar os amigos para acessarem seu vídeo. É possível cadastrá-lo em seus favoritos e assistir e avaliar.

Autor: Fábio Sanches

Dicas para um email marketing de resultados

1.  Defina uma estratégia de campanhas por email: antes de mandar email para alguém é importante ter uma estratégia. Qual o objetivo de sua campanha por email? Qual o conteúdo que será enviado? Será um email ou uma sequência de email? Qual é o público alvo? Como será medido o retorno da campanha? É importante responder perguntas como essas para definir sua estratégia de campanhas por email.

2. Deixe seu assunto claro e introdução precisa: Assunto direto ao ponto, menos de 30 caracteres, sem caracteres estranhos. Muitas pessoas passam os olhos nos assuntos das mensagens para decidir qual vai abrir. Quanto à introdução da mensagem, lembre-se que você só tem 3 segundos para capturar a atenção do leitor se ele estiver com a opção de preview habilitada no leitor de email.

3. Endereço de “from” e de “reply-to” inteligíveis: evite códigos estranhos e endereços esquisitos pois isso gera desconfiança em quem está recebendo sua mensagem e aumenta as chances de sua mensagem ser marcada como spam pelo leitor de emails.

4. Faça a opção de sair da lista fácil de ser usada: afinal a lista será mais valiosa se os assinantes que estiverem nela realmente tiverem interesse em receber seus emails.

5. Procure não usar texto nas imagens:
muitos leitores de email bloqueiam imagens e seu texto poderá ficar ilegível.

6. Call-to-action: de nada adianta você enviar uma campanha por email se você não disser claramente o que espera que seu cliente faça.

7. Consistência: seu email marketing tem que ser consistente com todo o resto de sua comunicação tanto impressa quanto online.

8. Landing page: De nada adianta você enviar uma mensagem que leve a pessoa a clicar no botão e ir no endereço que você quiser que ele vá se a página que está nesse endereço não for atraente, consistente com sua comunicação e não tiver também um call-to-action claro. Há quem prefere ter uma landing page separada do site, específica para a campanha em questão, mas para facilitar a implementação, sua landing page pode ser uma página em seu próprio site desde que ela seja atraente e tenha um call-to-action claro.

9. Segmentação: você conhece os destinatários de sua lista? Se sim, será que você não poderia dividi-los em grupos diferentes e enviar diferentes mensagens de acordo com o grupo que pertence?

10. Medição e testes: procure medir seus resultados. Não só quantas pessoas abriram seu email, mas também quantas pessoas clicaram, dessas quantas de fato agiram de acordo com o objetivo da campanha. E aproveite as medições para fazer testes. Por exemplo, você pode ter dúvidas sobre qual de duas opções de assunto colocar na sua mensagem. Experimente mandar uma versão com um assunto para uns 100 destinatários e outra versão, com o outro assunto, para outros 100, e veja qual dará mais resultados.

11. Descubra quando é melhor enviar sua campanha: a taxa de conversão de sua campanha depende muito do conteúdo de sua campanha bem como do seu público alvo. Em alguns casos pode ser melhor mandar sua campanha mais próxima do fim de semana. Em outros casos, no fim de semana ou até mesmo no meio da semana. Qual a melhor maneira de descobrir? Como explicado no item acima, medição e testes são as melhores ferramentas.

12. Observe, aprenda e melhore: como qualquer outra atividade profissional ou pessoal, fazer campanhas de email marketing é uma experiência que por si já carrega um aprendizado. Então a cada email que você disparar, observe quais foram os resultados, converse com outras pessoas, estude, aprende e melhore sua estratégia para a próxima campanha!

Fonte: Locaweb

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)?

A nuvem computacional ou cloud computing é um modelo de computação em que dados, arquivos e aplicações residem em servidores físicos ou virtuais, acessíveis por meio de uma rede em qualquer dispositivo compatível. Basicamente, consiste em compartilhar ferramentas computacionais pela interligação dos sistemas, semelhantes as nuvens no céu, ao invés de ter essas ferramentas localmente (mesmo nos servidores internos). O uso desse modelo (ambiente) é mais viável do que o uso de unidades físicas.

Um problema originado dentro das corporações é o alto custo com Tecnologia da Informação (TI). “As organizações de TI gastam hoje 80% de seu tempo com a manutenção de sistemas e não é seu objetivo de negócio manter dados e aplicativos em operação. É dinheiro jogado fora, o que é inaceitável nos dias de hoje”, defende Clifton Ashley, diretor do Google para a América Latina.

Dentro desse contexto, o PC será apenas um chip ligado à internet, a "grande nuvem" de computadores. Não há necessidade de instalação de programas, serviços e armazenamento de dados, mas apenas os dispositivos de entrada (teclado, mouse) e saída (monitor) para os usuários.

Uma arquitetura em nuvem é muito mais que apenas um conjunto (embora massivo) de computadores. Ela deve dispor de uma infra-estrutura para gerenciamento, que inclua funções como provisionamento de recursos computacionais, balanceamento dinâmico do workload e monitoração do desempenho.

Fonte: Wikipedia

Twitter: aprenda a usá-lo e como se tornar um seguidor e ser seguido

A recente notícia de que o site de microblogging Twitter teve um aumento em um ano de 1.382% em sua audiência, passando de 475 mil para 7 milhões de usuários, fez uma pergunta ressurgir: por que então o serviço ainda não está tão difundido entre as massas, como o Orkut e o Facebook? Comparado a estas duas redes sociais (que possuem mais de 50 milhões de usuários cada),o Twitter ainda engatinha.

Porém, vale lembrar que o microblogging é um serviço diferente e é aí que está o seu grande nicho. A ideia do site não é ser uma rede social, e sim um serviço de comunicação que oferece um curto espaço (de até 140 caracteres) para você escrever o que quiser, sobre o que estiver pensando e o que estiver fazendo naquele instante. São pílulas de informação que, no fim, podem até resumir como foi o seu dia.

Dois exemplos recentes desse perfil comunicador do Twitter foram em situações de emergência. Durante as enchentes em Santa Catarina e os ataques terroristas em Mumbai, milhares de usuários do Twitter escreviam em tempo real informando como estava a situação no local, ajudando na divulgação de informações para as autoridades.

Como participar

Criar uma conta no serviço de microblogging é muito simples e rápido. Na página inicial do Twitter, clique no botão verde Get Started-Join!, forneça as informações solicitadas e pronto.

A partir dái, você poderá começar a publicar seus posts e também partir para localizar amigos - a partir de sua lista de contatos (no Gmail, Yahoo, Hotmail, MSN),por um endereço de e-mail ou pelo nome, bem como outras pessoas que tenha interesse de se tornar um seguidor. Ao encontrar uma pessoa que lhe interesse, basta clicar no botão Follow para começar a segui-la.

Ao contrário das redes sociais tradicionais, não há comunidades nem aprovação de amizades no Twitter. Dessa maneira, o usuário tem a opção de construir sua própria rede, seguindo as atualizações (tweet ou post) de amigos e até de um completo desconhecido.

E também não há contrapartida: um determinado usário que você decida seguir pode ou não decidir seguir você. Vale ressaltar ainda que você não é obrigado a aceitar que o sigam (e nem aceitarem você como seguidor); há uma opção que permite bloquear usuários que não se deseja criar conexões.

Em sua página inicial você verá as atualizações mais recentes de todos seus contatos. Inclusive as respostas que eles enviaram para outras pessoas, que não necessariamente você também conhece.

Mas nas configurações, o usuário também pode excluir esses usuários cujas atualizações não lhe interessam. Basta escolher a opção @replies to the people I’m following na aba Notices, em Settings, e você verá apenas as respostas que foram enviadas para você ou para outra pessoa que você também conhece.

Dicas úteis


A diversidade de formar que se pode usar para escrever os posts talvez seja o principal motivo pelo qual o Twitter conquiste os usuários, seja a diversidade de formas para se escrever um tweet,sem necessariamente precisar acessar o site a partir de um PC.

A brevidade das mensagens fez com que o site interagisse também com outros serviços de comunicação que lidam muito bem com mensagens curtas, como telefones celulares (via SMS) ou mensageiros instantâneos (por padrão o Twitter aceita os programas GTalk, Jabber, AIM, LiveJournal e .Mac). Se o usuário quiser, ele também pode cadastrar seu número de telefone para que as atualizações de seus conhecidos sejam enviadas, em tempo real, para o seu celular por meio de mensagens SMS.

O Twitter também criou siglas para ajudar o usuário a escrever mensagens mais curtas. A mais politicamente correta de todas (e que exemplifica o diferencial ético desse serviço) é a ‘RT’ ou Retweet, que significa dizer que você está copiando uma mensagem que achou relevante e ainda indica de quem copiou.

O processo é igual quando se escreve um tweet: coloque RT @nome_de_usuário (que escreveu o tweet original) e a mensagem idêntica a que você gostou. Assim todos saberão que aquela mensagem foi copiada de determinada pessoa por você.

Outra dica é observar uma pequena janela, no canto superior direito da sua página inicial, que indica alguns aplicativos de postagem desenvolvidos pelos usuários e que são aprovados e indicados pelo próprio Twitter. Estes programas para celular, desktops e web são ideais para quem quer mais rapidez para atualizar um tweet.

Fonte: PC World

Mais artigos: