Menu

ARTIGOS E INFORMAÇÕES SOBRE O MUNDO ONLINE

Qual é a diferença entre WEP e WPA? Qual é o mais seguro?

Segurança em redes sem fio é algo mais crítico do que em redes cabeadas, pois como é transmitida pelo ar, qualquer um pode “capturar” suas informações. Mas a tecnologia foi bem planejada e conta com protocolos que a tornam mais segura. Dentre esses, destacam-se o WEP (Wired Equivalent Privacy ou “Privacidade Equivalente à de Redes com Fios”) e o WPA (Wi-Fi Protected Access ou Acesso sem fio protegido).

Se você ainda não conhece nenhum deles ou não entende qual deles pode tornar sua rede mais segura, não se preocupe! O TechTudo esclarece isso para você neste especial.

Protocolos de segurança em redes sem fio

Mesmo com todos os cuidados, nem sempre é possível evitar que as informações em redes sem fio sejam capturadas. O que pode ser feito é criptografar, ou seja, transmitir as informações de um jeito que, mesmo que elas sejam capturadas, não possam ser compreendidas. Esse trabalho de criptografia é feito por protocolos de segurança, que codificam os dados que navegam entre o PC e o roteador para impedir que alguém além desses dois pontos entenda o que está sendo transmitido.

WEP

Este protocolo foi lançado como um padrão de segurança em 1997 e tornou-se o pioneiro no assunto de proteção de redes sem fio. Ele utiliza o algoritmo RC4 para criptografar os pacotes que serão trocados numa rede sem fios e usa também uma função detectora de erros que verifica se a mensagem recebida foi corrompida ou alterada no meio do caminho.

Entretanto, depois de vários estudos e testes realizados com este protocolo, descobriu-se algumas vulnerabilidades e falhas que fizeram com que o WEP perdesse quase toda a sua credibilidade. O próprio algoritmo de criptografia RC4 foi apontado como o principal calcanhar de Aquiles do protocolo, e mesmo sendo indicadas outras opções para substituí-lo, o WEP caiu em descrédito e deixou de ser usado em aplicações sérias.

Apesar disso, o protocolo ainda é muito usado ainda hoje, principalmente em instalações residenciais. Isso ocorre em parte por pura falta de informação dos usuários de redes sem fio e também pela insistência de fabricantes de pontos de acesso em permitir que esses equipamentos ainda suportem este padrão de segurança.

WPA

O WPA pode ser considerado um protocolo WEP melhorado, já que ele surgiu a partir de um esforço conjunto de membros da Aliança Wi-Fi e do IEEE para combater algumas das vulnerabilidades do WEP e aumentar o nível de segurança das redes sem fio.

O WPA possui características interessantes que o tornam uma ótima opção para quem precisa de segurança. Por exemplo: é possível usar WPA em uma rede híbrida que tenha WEP instalado e migrar para WPA requer apenas uma atualização de software.

Lançado em 2003, esse protocolo utilizava criptografia TKIP e era chamado de WEP2 por algumas pessoas, por ele ser uma medida intermediária da Wi-Fi Aliance para substituir o WEP. Logo em 2004 ele recebeu uma atualização, quando passou a ser chamado de WPA2 e a utilizar uma criptografia mais forte chamada AES. Ele também ficou conhecido como IEEE 802.11i-2004.

Método de distribuição de chaves de autenticação do protocolo WPA

Para melhorar a criptografia de dados, o WPA utiliza uma chave-mestra compartilhada. Por causa disso, em se tratando de método de distribuição de chaves de autenticação, o WPA pode ser classificado como WPA-Personal, WPA-Enterprise e Wi-Fi Protected Setup.

No primeiro método, também conhecido como modo WPA-PSK (chave pré-compartilhada),cada dispositivo de rede wireless autentica com o ponto de acesso utilizando a mesma chave de 256 bits gerada a partir de uma senha ou frase secreta. Esse método foi projetado o uso em redes pequenas e não requer um servidor de autenticação.

Já o WPA-Enterprise é conhecido como modo WPA-802.1x, e às vezes apenas WPA (em oposição ao WPA-PSK). Esse método foi projetado para redes corporativas e, por isso, requer um servidor de autenticação RADIUS, o que exige uma configuração mais complexa, porém fornece segurança adicional contra, por exemplo, ataques de dicionário de senhas curtas. O modo WPA-Personal e o WPA-Enterprise estão disponíveis tanto com WPA quanto WPA2.

O Wi-Fi Protected Setup é um método de distribuição de chaves de autenticação alternativa que visa simplificar e fortalecer o processo, mas que, como é amplamente implementada, cria uma grande falha de segurança. Por este motivo ele é considerado inseguro.

E o vencedor é?

Depois de tantas informações sobre os dois protocolos, fica bem claro a grande diferença entre eles. Mais importante ainda, é óbvio que a utilização do WEP é altamente desaconselhada, por se tratar de uma tecnologia antiga e com uma série de brechas de segurança. Além disso, o WPA é uma opção mais confiável e tem uma implementação bem mais completa.

Portanto, se você for criar uma rede sem fio, dê preferência a equipamentos modernos e que tenham suporte as ultimas versões do WPA. Embora isso não seja uma garantia de segurança para a sua rede, com essa medida você terá uma preocupação a menos.

Fonte: Techtudo

O que é necessário para ter um site?

Registrar seu domínio

Para utilizar um domínio próprio você precisa registrá-lo em órgãos competentes.

Os domínios nacionais (.br) são registrados na FAPESP (http://www.registro.br) e tem um custo anual de R$ 30,00.

Hospedar-se em servidores conectados à internet 24 horas por dia

Todo site é constituído de arquivos. Para que estes arquivos sejam visualizados por qualquer usuário na internet, é necessário que estejam hospedados em um servidor conectado à rede.

Desenvolver o site

A criação do web site demanda profissionais capacitados, habilitados para o desenvolvimento e programação das páginas necessárias para agregar o seu conteúdo.

Dicas para navegar com segurança em redes Wi-Fi públicas

É cada vez mais comum encontrar em locais públicos redes Wi-Fi com acesso gratuito ou pagos à Internet. Mas esse tipo de conexão, diferente da rede sem fio da sua casa, muitas vezes não protege suas fotos e senhas pessoais. Confira abaixo algumas dicas para se proteger dessa ameaça e se conectar na web em qualquer lugar sem medo.

- Desative o compartilhamento de arquivos

Antes de se conectar a uma rede Wi-Fi pública, desative o compartilhamento de arquivos. Ao fazer isso, é possível afastar a possibilidade de alguém hackear, por exemplo, as músicas e fotos do seu computador, tablet, laptop ou celular.

Para não compartilhar com estranhos os seus arquivos, quando estiver conectado a uma rede Wi-Fi pública, siga o passo a passo abaixo:

Em um computador ou laptop com Windows, vá até as configurações do PC e clique em grupo doméstico. Depois disso, selecione o que você não gostaria de compartilhar. No caso do sistema operacional iOS, procure por preferências do sistema e depois escolha o que deseja compartilhar.

- Adquira uma Rede Privada Virtual

Obter uma VPN (Rede Privada Virtual),geralmente utilizada por empresas, para acessar uma rede Wi-Fi pública é a opção mais segura para tráfego de dados, já que ela garante a privacidade dos seus arquivos pessoais com criptografia.

- Evite a conexão automática a redes Wi-Fi públicas

Verifique se o seu dispositivo está se conectando automaticamente à Internet ao encontrar uma rede Wi-Fi. Caso ele esteja, desabilite esta opção já que existem pessoas mal-intencionadas que podem roubar as suas informações.

- Use SSL

Para garantir a segurança da transferência de dados, como existe no e-mail, utilize o SSL (Protocolo de Camada de Sockets Segura) que garante a privacidade das comunicações. Assim, um desconhecido não pode ter acesso aos dados transmitidos entre duas ou mais pessoas.

- Cuidado com o nome da rede pública

Preste atenção ao nome da rede Wi-Fi pública que você irá se conectar. Existem pessoas mal-intencionadas que criam redes com nomes falsos para se passar, por exemplo, por uma loja com o intuito de roubar os arquivos do seu dispositivo. Por isso, certifique-se de que o nome do ponto de acesso não é falso.

- Mude constantemente as suas senhas

Procure usar senhas seguras e diferentes para contas distintas. Por exemplo, crie uma senha para acessar uma rede social e escolha outra para fazer uma conta de e-mail. Dessa maneira, os seus dados estarão protegidos já que você nunca vai utilizar a mesma senha em sites diferentes.

- Ative o firewall

Com o firewall habilitado, é possível que os hackers não tenham acesso as informações do seu computador através da rede Wi-Fi pública. Para ativá-lo em um aparelho com Windows, procure no painel de controle as configurações de firewall e ligue-o. No caso de um computador Mac, vá até preferências do sistema, selecione segurança e privacidade e ative o firewall. Em ambos os procedimentos, você precisará colocar a senha do administrador para ligar o firewall.

- Instale um antivírus

Para se proteger de vírus transferidos para o seu dispositivo por meio de uma rede Wi-Fi pública, é necessário instalar um antivírus para alertar quando alguém tentar comprometer o aparelho. Assim, o seu computador estará protegido contra ataques de hackers.

Fonte: Techtudo

Proteção do roteador

Em resumo, as dicas para proteger um modem-roteador doméstico são as seguintes:

- Trocar a senha configurada de fábrica para o acesso ao painel de administração. A senha deve ser boa, mas esta é uma senha que você pode anotar em algum lugar sem muitos problemas. Afinal, quem tem acesso físico ao seu modem-roteador já pode realizar o “reset” – a senha em geral apenas protege você contra ataques pela internet.
- A administração remota (WAN) deve ser desativada.
- Para proteger o seu computador, não utilize o modem em modos de “bridge”.

Para o caso de modem-roteadores que incluem Wi-Fi, ou pontos de acesso Wi-Fi:

- Se você tem uma máquina conectada via rede cabeada no roteador, pode desativar também a administração do roteador via WLAN (rede sem fio),se houver essa opção. Isso é especialmente importante se o aparelho for usado em um ambiente em que o acesso ao Wi-Fi for público ou tiver um número considerável de pessoas com o acesso.
- Utilize WPA2 ou, pelo menos, WPA, como configuração de segurança no dispositivo. Não utilizar WEP ou deixar a rede sem criptografia.
- Utilize uma senha boa para a rede Wi-Fi. Procure utilizar frases, com ponto, vírgula e letras maiúsculas. Pode ser um trecho de uma música, um livro ou simplesmente uma frase que você goste. Claro: não vale usar uma frase que você publicou no seu perfil do Facebook.
- Não deixe nenhuma informação pessoal no SSID (nome) da rede.
- Não utilize o Wi-Fi Protected Setup. Ele é cômodo, mas diversos roteadores não são seguros com ele ativado.

Fonte: G1

Mais artigos: