Menu

PRINCIPAIS NOTÍCIAS SOBRE INTERNET E TECNOLOGIA

18/08/2009

Comércio eletrônico brasileiro cresce 27% no primeiro semestre de 2009

No primeiro semestre de 2009, o comércio eletrônico brasileiro movimentou 4,8 bilhões de reais, 27% a mais que o mesmo período de 2008, segundo o relatório a 20ª edição do relatório WebShoppers, da consultoria e-bit, divulgado nesta terça-feira (18/8).

O comércio eletrônico registrou, no primeiro semestre do ano passado, 3,8 bilhões de reais de faturamento.

Nos primeiros seis meses deste ano, o gasto médio do consumidor brasileiro em compras online foi de 323 reais. De acordo com o e-bit, o número alto se deve à escolha por produtos mais caros, como dos setores de Informática e Eletrodomésticos.

A tendência é que o valor se mantenha estável pois, "se por um lado os consumidores compram mais eletrodomésticos, compram menos produtos mais baratos, como CDs e DVDs, e isso mantém o equilíbrio, segundo Pedro Guasti, diretor geral da e-bit.

A categoria de Eletrodomésticos somou 13% do volume geral de pedidos na web em junho, alcançando o 2º lugar em vendas. No semestre, estes produtos ficaram na 4ª posição - o aumento de vendas foi impulsionado pela redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para a área.

Nos três primeiros lugares estão, respectivamente, as categorias "Livro, revistas e jornais", "Saúde, beleza e medicamentos" e "Informática". A quinta posição ficou com "Eletrônicos".

A expectativa para o segundo semestre é que o comércio eletrônico movimente 5,8 bilhões de reais. O período participa, no geral, com 55% do faturamento anual do e-commerce brasileiro, devido à força de datas como o Dia dos Pais e Natal.

"Devemos registrar, no ano, 10,5 bilhões de reais de faturamento, com mais de 30 milhões de pedidos feitos pela internet", analisa o executivo. Até o final do ano, 17 milhões de pessoas devem comprar virtualmente.

O maior número de usuários equivale a um crescimento de cerca de 22% diante dos 13,2 milhões de consumidores do mesmo período de 2008, e se deve, a princípio, pelo aumento do número de internautas no Brasil. Eles, naturalmente, convergem para o comércio eletrônico, segundo Guasti.

“Além disso, temos mais lojas de marcas de confiança, atraindo as pessoas que não se sentiam à vontade para comprar”, explica. Outro fator é o “preço agressivo dos produtos em relação ao varejo tradicional”, além de usuários ajudando uns aos outros com opiniões sobre os produtos, diz o diretor.

O levantamento aponta ainda que cerca de 86% dos brasileiros que compram na web estão satisfeitos com as lojas virtuais.

Notebooks e TVs

Esta edição do WebShoppers selecionou duas categorias para entender quais são as marcas que mais vendem produtos.

No caso de televisores, o estudo aponta para 297 milhões de reais de faturamento do setor, que registrou 297 mil pedidos de TVS - média de mil reais por compra. As marcas que mais venderam, em volume de compras, foram LG, Phillips e Samsung; já em volume financeiro, foram LG, Samsung e Philips.

A categoria de notebooks somou 256 mil pedidos, com faturamento de 274 milhões de reais, - média de 1,1 mil reais por cada dispositivo. Com relação ao volume de transações, as marcas líderes do setor foram Dell, CCE e HP; já falando em questões financeiras, o ranking aponta CCE, HP e Itautec.