Menu

PRINCIPAIS NOTÍCIAS SOBRE INTERNET E TECNOLOGIA

04/08/2008

Reforma de sites é nova onda para lucrar na web

Dave Hermansen não tinha passarinho nem gaiola quando comprou o site bird-cage.com, uma loja online de gaiolas, por US$ 1,8 mil (equivalente hoje a R$ 2,8 mil), três anos atrás. O que ele viu foi um site "muito, muito mal feito", e implorou aos proprietários para comprá-lo. Depois, reformou o site, começou a veicular publicidade e atraiu muito mais tráfego. Em dezembro do ano passado, Hermansen, 30, vendeu o site por US$ 173 mil (cerca de R$ 270 mil).

Ele é parte da mais recente onda de empreendedores, a qual, como os amadores que começaram a investir em bolsa e em imóveis em ondas precedentes, deseja ganhar o máximo possível de dinheiro sem grande esforço.

Eles usam pouco mais do que seus computadores caseiros e programas gratuitos para adquirir sites dirigidos a nichos pequenos e específicos, que depois reformam na esperança de revender por preço muito mais alto do que o pago inicialmente.

Mas embora seus sonhos sejam alimentados por algumas histórias de sucesso considerável - como a aquisição da Wired News pela editora Condé Nast, em uma transação de US$ 25 milhões, a compra do blog Celebrity Baby pela People.com ou, mais recentemente, o acordo entre a Guardian News and Media e a PaidContent, supostamente adquirida por US$ 30 milhões -, as ambições desse proprietários quanto aos seus projetos são menores. Eles muitas vezes fecham vendas por valores de centenas ou poucos milhares de dólares.

"Todo mundo que tem sites está dizendo que, se alguém fizer uma boa oferta, eles venderiam", diz Gene Alvarez, vice-presidente de pesquisa da Gartner, uma consultoria de tecnologia. "É o modelo lanchonete: você constrói uma freguesia, uma comunidade, e tenta vender enquanto a coisa anda bem".

Alguns sites começam como projetos de estimação. O Celebrity Baby Blog, conta Danielle Friedland, foi criado por ela depois que trabalhou na transmissão do Globo de Ouro de 2004 e sua função parecia ser a de informar que estrela estava grávida, de gêmeos, e que estrela havia tido bebês recentemente. Quatro anos mais tarde, o blog foi adquirido pela People.com para atender a um nicho que não estava sendo visado: o da "comunidade das mães jovens e apaixonadas por bebês", diz Fran Hauser.

Hauser, presidente da People Digital, não confirma o preço de venda do blog, mas pessoas do setor especulam que tenha sido de alguns milhões de dólares.

As pessoas que reformam sites têm objetivos mais modestos. Elas percorrem a Internet em busca de sites que, na descrição de Mike Lyon, do banco de investimento Arbor Advisors, representem "propriedades subvalorizadas" -prejudicados por design ruim, e com pouca visibilidade na rede.

Embora não existam dados sobre o número de pessoas que trabalham reformando sites para venda, o número de sites vendido no eBay dobrou nos três últimos meses, segundo o site de leilões. No mercado SitePoint, um fórum semelhante no qual usuários podem leiloar sites, as vendas quadruplicaram nos últimos 12 meses, disse Matt Mickiewicz, fundador do serviço.

As mudanças na economia da web tornaram mais fácil identificar e explorar nichos. O boom da Internet dos anos 90 gerou empresas como a Pet.com, que eram como versões online de cadeias físicas de varejo. Isso requer estoques de produtos e seu envio aos consumidores. Mas esse modelo desabou com o colapso do mercado da web em 2000.

De lá para cá, construir sites que atendam a nichos se provou simples e barato. Software gratuito, sistemas de publicidade como o do Google e sistemas de remessa que permitem a fornecedores de produtos da web trabalhar com prestadores externos de serviços de transporte reduziram o custo dos negócios.

Em lugar de vender bens e serviços, dizem os analistas, a maior parte das pessoas que reforma sites procura a maneira mais fácil de ganhar dinheiro rapidamente, recorrendo à publicidade especializada.

Philip Kaplan, que capturou a atenção do mercado com um site cuja diversão era celebrar o estouro da bolha da Internet, agora ajuda sites a conseguir publicidade online, por intermédio de sua empresa, a AdBrite. Ele declarou em entrevista que tem encorajado os donos de sites a "criar nichos de foco estreito".

"Todos os nossos anunciantes estão dizendo que procuram tal ou qual nicho. Jamais dizem que desejam anunciar em um site sobre nada", ele afirma.

Hermansen, da bird-cage.com, diz que está sempre procurando por áreas da Internet que apresentem volume elevado de buscas e baixa concorrência. "Quando descobri o nicho dos passarinhos, sabia que era o lugar que eu procurava", afirmou.

Antes de um site sobre gaiolas, Hermansen foi dono e operador de sites que atendiam a nichos como o paintball, brinquedos de controle remoto e motonetas elétricas. Em 2005, ele deixou seu emprego como desenhista para se dedicar em tempo integral à reforma e venda de sites.

No ano passado, Hernansen diz que enfim decidiu realizar algo que desejava há muitos anos: comprou um papagaio, Sunny. No começo deste mês, ele e seu irmão Mike alugaram um armazém no qual começaram a produzir e vender uma linha própria de gaiolas para pássaros.

Agora, Sunny vive em uma das gaiolas no armazém que os Hermansen alugaram, e serve como mascote à mais recente empreitada dos irmãos na web, o site innovativecages.com. Hermansen diz que encontrou ainda outro vazio a preencher no mercado dos nichos especializados de Internet: o de "gaiolas de pássaro de alta qualidade e preço elevado".

"Evidentemente", ele acrescentou, "o objetivo final da manobra é vender o site por um bom dinheiro".

Tradução: Paulo Migliacci ME