Menu

PRINCIPAIS NOTÍCIAS SOBRE INTERNET E TECNOLOGIA

05/07/2014

Fraude de boletos investigada por FBI e PF pode ter desviado R$ 8,75 bilhões

Um golpe cibernético destinado a modificar boletos bancários para desviar os pagamentos de contas pode ter capturado quantias equivalentes a US$ 3,75 bilhões (R$ 8,75 bilhões) desde 2012, quando foi identificado pela primeira vez, segundo a RSA Research, divisão de cibersegurança da multinacional EMC, que descobriu a fraude e a descreveu em seu blog nesta quarta-feira (2).

Segundo a RSA, 34 bancos em mais de um país foram afetados pelo golpe, que é investigado pelo FBI e pela Polícia Federal. Apesar de afirmar que a investigação do golpe envolveu três continentes, a RSA deixa claro que o golpe tem o Brasil como alvo principal pela dependência dos boletos. O caso foi publicado nesta quarta pelos jornais "Folha de S.Paulo" e "New York Times".

“A PF está tomando todas as medidas necessárias na investigação desses fatos. A investigação obviamente corre em sigilo e, no momento oportuno, quando chegarmos a outras conclusões ao longo das investigações a sociedade será esclarecida dos fatos”, afirmou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

Entenda o golpe
O ataque começa quando o internauta abre anexos de e-mails e mensagens em rede sociais infectados, que instalam no computador o malware, chamado de “Bolware”. As mensagens são spam e “phishing” (páginas ou e-mails falsos criados para se parecem com o de bancos e enganar os consumidores).

Esse malware compromete os navegadores utilizados para navegar na web. A partir daí, os boletos emitidos por lojas são interceptados pelo Bolware, que modifica as trilhas no código de barras que identificam a conta de quem vai receber o pagamento. O objetivo é fazer o dinheiro ir para a conta dos criminosos.

19 variações
Para escapar dos esforços de segurança dos bancos, a chamada “Gang do Bolware” criou 19 variações desse malware. Os criminosos conseguiram infectar 192 mil computadores. Segundo a RSA, o ataque comprometeu 495.753 transações utilizando boletos e envolveu 8,095 números falsos de identificação de boletos. Baseado nesses números, a RSA estima que o total desviado pelo golpe é de US$ 3,75 bilhões.

“Enquanto os fraudadores por trás da operação podem ter tido a possibilidade de sacar o dinheiro desses boletos modificados, não é conhecido exatamente quanto desses boletos foram realmente pagos pelas vítimas e se todos esses fundos foram direcionados com sucesso para as contas bancárias controladas pelos fraudadores”, escreveu Eli Marcus, do time de fraudes da RSA.

Segundo a RSA, boletos emitidos pelo governo, como o pagamento de taxas e contas, não foram detectados como sendo fraudulentos. Aplicações móveis de boleto e pagamentos via boletos eletrônicos (Débito Direto Autorizado) também não apresentaram ter sido infectados pelo malware.

Fonte: G1

30/06/2014

Brasil chega a 156 milhões de acessos banda larga

O número de acessos em banda larga no Brasil chegou a 156 milhões em maio, o que representou um crescimento de 51% em relação ao mesmo mês do ano passado. Segundo levantamento da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil),nos últimos doze meses, 53 milhões de novos acessos foram ativados, num ritmo de ativação de 1,7 nova conexão por segundo.

A banda larga móvel, pelas redes de 3G e 4G, liderou a expansão dos acessos à internet, chegando em maio a 132,6 milhões de conexões, com 62% de crescimento em relação a maio de 2013. Na banda larga móvel, 116,8 milhões são de conexões de celulares, incluindo os smartphones, e 15,8 milhões são terminais de dados, entre eles modems de acesso à internet e chips de conexão máquina-máquina (M2M).

Na banda larga fixa, os acessos somaram 23,3 milhões em abril. Desse total, 2 milhões de conexões foram ativadas nos últimos doze meses, com crescimento de 9% no período. A quantidade de acessos em banda larga fixa significa que mais de 40% dos domicílios brasileiros urbanos têm internet de alta velocidade.

A expansão também se deu na cobertura das redes de banda larga móvel, ativada em 304 novos municípios nos últimos doze meses. Ao todo, as redes de terceira geração estão instaladas em 3.713 municípios, onde moram 92% dos brasileiros. O 4G, segundo a Telebrasil, já conta com 2,8 milhões de acessos. As prestadoras cumpriram em maio a meta de atender com 4G as 45 cidades brasileiras com mais de 500 mil habitantes.

Fonte: Convergência Digital

28/06/2014

Número de brasileiros que acessa internet no celular dobra em 2 anos

O número de brasileiros que acessa a internet na telinha do celular chegou a 52,5 milhões de pessoas, de acordo com a pesquisa TIC Domicílios, divulgada nesta quinta-feira (26) pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br). Isso quer dizer que 31% dos brasileiros com 10 anos ou mais se conectam por meio do aparelho móvel, o dobro do que era há dois anos. Em 2011, eram apenas 15%.

A pesquisa foi realizada em mais de 16 mil domicílios brasileiros, entre setembro de 2013 e fevereiro de 2014, em 350 municípios do país. O Cetic.br é ligado ao Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) e ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).

O avanço da internet via celular ajudou a fazer com que metade da população brasileira tivesse acesso pela primeira vez desde que o Cetir.br começou a realizar o estudo em 2005. Entre os maiores de 10 anos, 85,9 milhões (51% da população) haviam se conectado pelo menos uma vez nos três meses anteriores da pesquisa.

Apesar disso, apenas 43% dos domicílios possuem acesso à internet no Brasil. A questão social é determinante: enquanto entre as casas da classe A, 98% são conectadas; entre os lares da classe C, esse percentual cai para 39%, e nos das classes D e E, é de 8%.

Tanto que, segundo o relatório, há 24,2 milhões de domicílios com renda familiar de até dois salários mínimos que ainda não estão desconectados.

O fato de a internet não ter chegado nem à metade dos lares brasileiros ocorre porque a presença dos computadores nos lares avançou pouco. Chegou a 49% dos domicílios em 2013, três pontos percentuais acima do que era em 2012, enquanto isso, os celulares estão em 90% dos lares. Com isso, os aparelhos móveis já estão na mão de 85% das pessoas com mais de 10 anos, o que totaliza 143 milhões de brasileiros.

Apesar disso, nem todo mundo que possui celular usa o aparelho para navegar. Segundo a pesquisa, 41% dos donos de telefone móvel dizem não acessar a internet porque o aparelho é limitado, não um smartphone. Esse quadro tende a mudar, já que os smartphones passaram a ser mais vendidos que os celulares convencionais no Brasil.

Fonte: G1

09/06/2014

Balões podem levar banda larga para regiões remotas do Brasil

O Ministério das Comunicações (Minicom) participou na última sexta-feira (06) do lançamento de balões de internet da empresa Google no Aeroporto Nossa Senhora de Fátima, na capital piauiense. O evento foi acompanhando pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que observou em primeira mão a tecnologia do projeto Loon.

Segundo o Google, estes balões serão os primeiros a percorrer uma longa distância em uma latitude próxima da linha do Equador. Testes semelhantes já foram realizados pela empresa norte-americana na Nova Zelândia, em 2013.

No Piauí, o Google já havia lançado, na semana passada, dois balões. Por cerca de uma hora, a turma do 9º ano da Escola Linoca Gayoso da comunidade de Água Fria, município de Campo Maior, tiveram pela primeira vez aula com acesso à internet.

A conexão 4G foi fornecida pela Vivo e pela Telebras e retransmitida por um balão do Loon para uma antena especial instalada no telhado da escola.

Para Paulo Bernardo, a iniciativa vai ao encontro dos objetivos do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL). "O Governo Federal considera prioridade o avanço do uso da internet em todas as camadas da população e em todas as regiões do Brasil", disse.

"Sabemos que, para isso, todas as tecnologias disponíveis serão importantes: fibras ópticas, satélites, equipamentos fixos ou móveis. Dado o tamanho do nosso território e as dificuldades geográficas, todas as inovações são bem-vindas. O projeto Loon pode apontar soluções criativas para regiões de mais difícil acesso na busca da universalização da oferta do acesso à internet em banda larga", defendeu Bernardo.

O presidente do Google Brasil, Fabio Coelho, ressaltou a importância do projeto: "Estamos honrados por termos sido convidados pelo governo brasileiro para testar o Loon aqui. Para nós, isso mostra que o Brasil reconhece a importância da internet para impulsionar o desenvolvimento econômico e a educação, e que vale fazer um esforço extra para colocar todos online, mesmo aqueles que vivem em regiões remotas, como a Amazônia ou as áreas rurais do Nordeste".

Fonte: Computer World

Mais notícias: