Menu

PRINCIPAIS NOTÍCIAS SOBRE INTERNET E TECNOLOGIA

26/05/2013

Dados atualizados sobre o crescimento da Internet no Brasil

Que a internet é um dos meios que mais cresce hoje no brasil e no mundo, todo mundo já sabe. Mas mesmo vivendo nesta era digital, muitos donos de empresa ainda se fecham para este mundo online e não querem acreditar que ter uma presença digital hoje, se faz estritamente necessário.

Por isso, compilamos alguns dados atuais sobre o crescimento da internet no Brasil, para ajudar você a convencer com embasamento aquele cliente mais resistente ao digital.

Uma pesquisa realizada pelo IBGE, mostrou como a tecnologia no Brasil está ficando cada vez mais democrática. O último levantamento da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, feita pelo IBGE, mostrou que os brasileiros de baixa renda ligados a internet está crescendo em ritmo acelerado.

A quantidade de internautas no Brasil aumentou 143,8% em seis anos.

O crescimento maior de acesso a internet nesses últimos 6 anos, foram os brasileiros acima de 50 anos.

A tecnologia cresceu mais também, nos lugares que antes eram pouco conectados como o Norte e Nordeste. No estado de Alagoas é onde o número de internautas teve maior crescimento.

Hoje somos 77 milhões de brasileiros navegando em computadores e laptops.

E não podemos esquecer dos celulares, que já fazem parte da vida de quase 70%  dos brasileiros, dando destaque as mulheres que já ultrapassaram os homens no quesito mobilidade.

Fazemos parte de 47% da população conectada. Infelizmente ainda temos 53% sem acesso a internet.

Seja no computador, tablets, smartphones, lan houses ou em até mesmo em centros comunitários instalados nas comunidades de baixa renda, a internet está aí, e não podemos mais fugir dela. E as empresas que ainda não estão inseridas nesse meio com uma boa presença online, com certeza já estão perdendo mercado.

Fonte: Locaweb

15/05/2013

Brasil deve chegar a quase 43 milhões de conexões em 2017

Ontem, a Cisco divulgou nova edição do Barômetro Banda Larga 2.0, trazendo uma análise das conexões fixas e móveis do País até dezembro de 2012 e uma projeção para a Internet nos próximos cinco anos. No ano passado, o Brasil alcançou um total de 25,8 milhões de conexões de banda larga, um crescimento de 18,6% em relação a 2011. Em 2017, o País deve superar 42,6 milhões de conexões.

Conduzido pela consultoria IDC na América Latina, o estudo apontou aumento de 9,1% nas conexões fixas nos últimos seis meses de 2012, enquanto as móveis cresceram em um ritmo de 10,6% no mesmo período. A crescente demanda de aplicativos e conteúdos online fez com que as duas modalidades crescessem em taxas similares entre julho e dezembro de 2012.

No Brasil, já existem 35 conexões móveis para cada 100 fixas. O Barômetro considera o acesso móvel as conexões para PC e via modem, sem incluir navegação por celular e smartphone.

As conexões de banda larga fixa atendem 9,7% da população com presença em 32,5% dos lares brasileiros. A Banda Larga 2.0 (com velocidades de 2 Mbps ou mais) superou 10,98 milhões de conexões, o que significa uma penetração de 5,6% por cada 100 habitantes. Já as assinaturas móveis superaram 6,7 milhões ou 3,4% da população.

No último semestre de 2012, houve uma migração de consumidores para planos de banda larga com velocidades maiores. A Banda Larga 2.0 cresceu 13,4% no período, enquanto a Banda Larga 1.0, de 128 Kbps a 2 Mbps, teve uma leve diminuição, de 2,2%. No final do ano passado, 57,6% das conexões de banda larga fixa eram 2.0, sendo que 42,2% eram de 10 Mbps ou mais.

A crescente demanda de aplicativos mais “exigentes” em termos de consumo de comunicações, como vídeo de alta definição, e o aumento da utilização de aplicativos baseados na nuvem, junto com uma crescente oferta de banda por parte dos provedores, principalmente nas cidades mais importantes do país, vêm gerando a queda de conexões 1.0 em favor das 2.0 e, em consequência, um incremento na velocidade média do Brasil. Esta cresceu em 346 Kpbs no último semestre de 2012 e 606 Kbps no último ano, chegando a 4,68 Mbps em dezembro de 2012.

Para 2017, o estudo prevê que a Banda Larga 2.0 represente 73,5% das conexões fixas, enquanto os acessos móveis devem representar 31% do total de conexões. A contínua oferta de maior banda contribuirá positivamente com esse fator.

Fonte: IDG NOW

14/05/2013

Novas regras para e-commerce entram em vigor

O Decreto 7.962, que dispõe sobre novas regras da contratação no comércio eletrônico, entra em vigor nesta terça, (14). Conforme estabelecido pela redação da emenda ao Código de Defesa do Consumidor, algumas mudanças passam a ser obrigatórias para empresas de e-commerce.

Agora as empresas devem implementar dos serviços pós-venda (SAC, gerenciamento de entregas etc.) online, informar sobre o endereço físico e outras formas de contato para a sua localização; discriminar, no preço do produto ou serviço ofertado, quaisquer despesas adicionais ou acessórias, tais como entrega ou seguros; e trazer informações claras e ostensivas sobre o produto ou serviço e quanto a eventuais restrições ao cumprimento da oferta online.

Além disso, ass companhias também deverão lidar com o direito de arrependimento do consumidor, ou seja, quando uma compra é realizada, porém, o usuário desiste de contratar o serviço ou obter o produto.

Quanto a sites de compras coletivas, as principais regras estabelecem o detalhamento da oferta, com informações sobre a quantidade mínima de vendas para efetivação do contrato, além de informação clara sobre o prazo para utilização da oferta pelo consumidor e identificação do fornecedor responsável pelo site ou do fornecedor do produto ou serviço objeto da oferta.

Fonte: Corpbusiness

21/04/2013

Brasil ocupa 5º lugar em ranking global de acesso à web

O Brasil ocupa a quinta posição no ranking mundial de acessos à internet, de acordo com o instituto de pesquisa americano ComScore. Os números, obtidos com exclusividade pelo site de VEJA, apontam que 61,48 milhões de brasileiros acessaram algum site em fevereiro de 2013, o que deixa o país atrás apenas de China (326 milhões),Estados Unidos (187 milhões),Japão (73 milhões) e Índia (71 milhões).

O relatório computa a quantidade de visitas únicas (feitas por apenas um usuário) realizadas por pessoas com 15 anos de idade ou mais a endereços da internet durante o período determinado. Também é identificado a origem do acesso: desktop ou notebook, residência ou local de trabalho. Não são computados acessos de dispositivos móveis, como smartphones e tablets.

Para Alex Banks, vice-presidente da ComScore na América Latina, a posição de destaque do Brasil é fruto de dois fatores importantes: o crescimento do número de usuários e as alterações na metodologia utilizada pela empresa para medir os acessos. "O relatório emitido em fevereiro marca uma nova fase em nosso processo de medição da internet. Passamos a adotar técnicas e fontes capazes de oferecer resultados mais precisos", diz.

O executivo alerta que a mudança no procedimento não permite uma comparação precisa dos números atuais com os divulgados em fevereiro do ano passado, quando o Brasil ocupava a oitava posição do ranking – com 45,5 milhões de visitantes únicos. "Estaríamos comparando duas coisas diferentes", diz Banks.

Fonte: Veja