Menu

PRINCIPAIS NOTÍCIAS SOBRE INTERNET E TECNOLOGIA

19/10/2010

Projeto de Lei quer proibir anonimato em sites no Brasil

Um Projeto de Lei (PL) que está em tramitação na Câmara dos Deputados prevê a proibição do anonimato em sites no Brasil. Eles deverão indicar o nome do responsável na página principal, além do endereço de contato. Em matérias jornalísticas, deverá ser informado o nome e o registro profissional do jornalista responsável. A proposta é de autoria do deputado Eduardo da Fonte (PP-PE) e tem o código 7311/10.

De acordo com a PL, sites que produzam ou veiculem matérias jornalísticas próprias ou de terceiros, inclusive blogs, ficarão ainda submetidos a outros deveres, como comprovar a veracidade da informação prestada, assegurar o direito de resposta e observar meios éticos na obtenção da informação. A proposta proíbe preferências discriminatórias sobre raça, religião, sexo, preferências sexuais, doenças mentais, convicções políticas e condição social.

Segundo o autor do projeto, em uma rede não regulada, há muitos abusos. “O cidadão prejudicado não tem como fazer contato com os responsáveis por sítios que não disponibilizam endereço ou nome dos jornalistas responsáveis pelas matérias veiculadas”, afirma. “Nem mesmo o direito de recurso ao Poder Judiciário é possível, uma vez que a impossibilidade de identificar os responsáveis impede a caracterização da parte a ser acionada”.

Punição

De acordo com o projeto, em caso de descumprimento, os responsáveis pelos sites no Brasil ficarão sujeitos a multa entre 5 mil e 50 mil reais por cada infração. No caso da pessoa jurídica, também serão punidos com multa os administradores ou controladores, quando tiverem agido de má-fé.

Fonte: IDG Now!

13/10/2010

Sony lança televisores "conectados" com plataforma Google

A Sony está fazendo sua maior empreitada até o momento no segmento dos chamados televisores conectados, revelando uma linha de aparelhos que usa tecnologia do Google para combinar conteúdo de TV e Internet nas salas de estar.

A gigante de eletrônicos apresentou na terça-feira televisores de alta definição que também permitirão aos usuários navegar na Internet, utilizar aplicativos, assistir conteúdo online via stream e pesquisar de maneira mais organizada a programação.

Resta saber se os consumidores estarão interessados. Tentativas anteriores de trazer a Web aos televisores não conseguiram impressionar.

Mas a Sony, com a ajuda da marca Google e do que definiu como grande campanha de marketing voltada aos jovens, espera convencer os consumidores que Internet e televisão podem coexistir em um único aparelho.

"Há muita gente por aí que deseja ver algo mais em seus televisores", disse Jeff Goldstein, vice-presidente de produtos e serviços domésticos conectados na Sony Electronics.

"Creio que o ritmo de adoção desse tipo de aparelho será muito rápido", previu.

A Forrester Research projeta que 43 milhões de domicílios terão televisores conectados, nos Estados Unidos, até 2015, ante pouco menos de dois milhões em 2010. O grupo de pesquisa afirmou que as ofertas anteriores não haviam sido fortes o suficiente e que muita gente com televisores com acesso à Internet nem havia pensado em conectá-los.

Os televisores de Internet da Sony vêm prontos para acesso Wi-Fi e conexão a redes de banda larga, e funcionam com a plataforma Google Android e com o chip Intel Atom.

O preço inicial é de 600 dólares para o modelo de 24 polegadas e chega a 1,4 mil dólares para o de 46 polegadas. A Sony também está lançando um decodificador de 400 dólares com funcionalidades semelhantes às dos televisores, e que inclui um player Blu-ray.

Os produtos estarão à venda no sábado em pontos de venda da Sony e serão colocados à venda pouco mais tarde nas lojas da Best Buy. Até o final da temporada natalina, eles estarão disponíveis apenas nos Estados Unidos.

Fonte: Reuters

07/10/2010

Base mundial de domínios de internet cresce 7% no 2º tri

A base mundial de domínios na internet cresceu em cerca de 12,3 milhões no segundo trimestre de 2010, uma expansão de 7% em relação a 2009, afirma estudo publicado pela VeriSign. No levantamento, o número de domínios com o código do Brasil subiu 5% em base anual.

De acordo com o estudo da VeriSign, empresa que fornece serviços de infraestrutura para a Web, o Brasil foi o sétimo maior registrador de novos domínios com código de país do mundo entre abril e junho. Em primeiro aparece a Alemanha, seguida por Reino Unido e China.

Sobre os nomes de domínio de primeiro nível, o segundo trimestre terminou com uma base de 196,3 milhões de domínios, ou alta de 7% (12,3 milhões de registros) sobre igual período de 2009 e 2% ante o primeiro trimestre. A ordem dos maiores conjuntos de nomes de domínio em primeiro nível pouco se alterou no segundo trimestre.

No período, os maiores conjuntos de nomes de domínio foram ".com", ".de" (Alemanha),".net", ".uk" (Reino Unido),".org", ".cn" (China),".info", ".nl" (Holanda),".eu" (União Europeia) e ".ru" (Rússia).

Fonte: Terra

28/09/2010

E-commerce brasileiro já vende mais que shoppings da Grande São Paulo

As lojas de comércio eletrônico no Brasil faturaram 7,8 bilhões de reais nos primeiros sete meses de 2010, valor superior ao das vendas combinadas de todos os shopping centers da Grande São Paulo, informou a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) nesta segunda-feira (27/9).

De acordo com pesquisa divulgada pela Fecomercio – e elaborada em parceria com a empresa de consultoria de mercado e-bit –, o faturamento do comércio eletrônico cresceu 41,2% em relação ao do mesmo período de 2009, e já se tornou maior que os 7,2 bilhões de reais faturados pelos shoppings centers da região metropolitana de São Paulo. O faturamento total do varejo na Grande São Paulo nos sete primeiros meses do ano foi de 55,6 bilhões de reais.

Os números são parte da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (PCCV),um levantamento da Fecomercio que tem sido elaborado mensalmente desde 1970. A novidade é que, a partir de agora, ela vai incorporar os números de comércio eletrônico levantados pela e-bit, dando origem a um novo indicador, chamado e-PCCV, que aparecerá na pesquisa como um novo setor de varejo.

Pelos números obtidos para a região metropolitana de São Paulo, o setor de e-commerce é o que mais se destaca, apresentando 29,3% de crescimento entre janeiro e julho de 2010, na comparação com o mesmo período de 2009. O segundo setor que mais cresceu no período foi o de lojas de eletrodomésticos e eletrônicos (23,8%) e o terceiro, as lojas de vestuário, tecidos e calçados (15,7%).

De acordo com a e-bit, o comércio eletrônico no Brasil deverá fechar 2010 com um faturamento de 14,3 bilhões, o que significaria um crescimento de 35% em relação a 2009. Para o varejo da Grande São Paulo, a Fecomercio projeta um crescimento de 7%, composto por 6,6% do varejo tradicional e 25% do comércio eletrônico.

Fonte: IDG Now!