Menu

PRINCIPAIS NOTÍCIAS SOBRE INTERNET E TECNOLOGIA

04/02/2009

Yahoo lança ferramenta de busca similar à desprezada pelo Google

O Yahoo está procurando ouro em águas que o Google já abandonou.

A empresa anunciou em seu blog nesta quarta-feira que está testando uma nova ferramenta para ajudar as pessoas a organizar melhor a riqueza de informações recebidas em suas pesquisas na Web.

O Search Pad é um conceito semelhante ao do Google Notebook, um produto cujo desenvolvimento a líder de buscas na Web resolveu suspender no mês passado.

Mas o fato de que o Google tenha jogado a toalha com relação a um produto não significa que o Yahoo esteja desperdiçando seu tempo, dizem alguns analistas.

As empresas têm posições diferentes em termos de finanças e competição, e isso significa que algo que não funciona para uma delas pode fazer sentido para a outra.

O Google, que controla cerca de 63 por cento do mercado de buscas dos Estados Unidos, está avaliando com atenção as suas despesas operacionais, a fim de preservar sua margem operacional em uma economia que está em desaceleração, e isso inclui uma série de projetos não essenciais que a empresa tradicionalmente promove.

O Yahoo, cuja receita cresceu em três por cento em 2008, para 7,2 bilhões de dólares, tem forte necessidade de uma nova estratégia de crescimento, dizem os analistas.

Os investidores podem tolerar mais os projetos que colocam pressão sobre as margens de lucros no Yahoo caso exista uma chance de retorno, disse Sandeep Aggarwal, analista da Collins Stewart, falando em termos gerais e não especificamente sobre o Search Pad.

"O Yahoo não pode desistir de tentar outros projetos", ele afirma.

A empresa, que recentemente contratou Carol Bartz como presidente-executiva, com a missão de reverter seus problemas, está em "fase de transformação" depois de rejeitar uma oferta de aquisição de 47,5 bilhões de dólares apresentada pela Microsoft no ano passado e de ver um acordo de publicidade com o Google ser rejeitado devido à pressão das autoridades antitruste.

O Search Pad já estava em desenvolvimento antes da chegada de Bartz, disse Tom Chi, diretor de administração de produtos do Yahoo.

O produto deriva da percepção de que os usuários empregam serviços de busca não apenas para encontrar links que os levem a sites específicos, mas para conduzir pesquisas sobre muitas atividades, da compra de carros a informações sobre doenças.

O produto detecta quando a pessoa parece estar pesquisando um tópico específico e se oferece para catalogar os resultados em uma janela especial na página de buscas do Yahoo.

04/02/2009

Programa do Google permite localizar amigos pelo celular

O Google lançou nesta quarta-feira (4) um software que permite que os usuários de celulares e outros dispositivos móveis possam compartilhar automaticamente sua localização com a família e amigos.

Usuários em 27 países, incluindo no Brasil, poderão tornar pública sua localização no mapa por meio do programa Google Latitude. Controles permitem que os usuários selecionem quem recebe a informação. É possível também desligar o serviço a qualquer momento, informou o Google em seu site.

"Diversão à parte, reconhecemos a sensibilidade dos dados de localização, então criamos controles de privacidade dentro do aplicativo", afirmou o Google.

"Você não somente controla exatamente quem pode ver sua localização, mas também decide que locais eles podem ver." O paradeiro de amigos pode ser acompanhado em mapa do Google, seja por celular ou por meio do computador.

Aparelhos compatíveis

O novo serviço da empresa é similar a um oferecido pela Loopt. Operadoras de telefonia dos Estados Unidos como a Verizon Wireless e Vodafone já oferecem serviço da Loopt, que também funciona com o iPhone da Apple.

O Latitude funciona em celulares Blackberry e aparelhos que executam o sistema Symbian S60 ou Windows Mobile. Alguns celulares com sistema Android, criado pelo Google, também são compatíveis.

O Google informou que eventualmente o serviço poderá ser executado no iPhone e iTouch e em muitos celulares da Sony Ericsson.

Em 2005, o Google comprou, mas acabou fechando, um serviço de localização que usava mensagens de texto para avisar usuários de celulares sobre a proximidade de amigos.

02/02/2009

Safari cresce mais que Firefox nos últimos três meses, revela pesquisa

O Internet Explorer está perdendo mercado num ritmo mais lento, mas ainda não conseguiu frear o avanço de seus competidores, segundo levantamento da Net Applications em janeiro de 2009.

A novidade nos dados do mercado de browser deste mês é o avanço do Safari, da Apple, que conseguiu pelo terceiro mês consecutivo ultrapassar a expansão do Firefox, da Fundação Mozilla.

O browser da Apple cresceu 0,36 ponto percentual, atingindo 8,3% dos usuários, maior penetração desde que a pesquisa começou a ser feita pela Net Applications.
Nos últimos três meses, o Safari ganhou 1,7 ponto percentual, enquanto o navegador da Fundação Mozilla cresceu 1,5 ponto percentual.

O Internet Explorer perdeu 0,6 ponto percentual de sua participação no mercado no mês passado e fechou janeiro com 67,6%, menor penetração desde que a Net Applications começou a rastrear o uso dos browsers, em 2005.

Apenas nos últimos 12 meses, o IE caiu cerca de 8 pontos percentuais. Nos últimos 24 meses, o total foi de 9,8 pontos percentuais de queda.

Uma grande oportunidade para o navegador da Microsoft reverter a tendência de queda é o lançamento da versão final do IE8, prometida para o final do primeiro semestre e começo do segundo de 2009.

O Release Candidate do IE8 já ganhou 0,92% de participação em janeiro em apenas seis dias de lançamento. Desde o lançamento do segundo beta do IE8, em agosto, a nova versão do browser da Microsoft vem conquistando participação lentamente.

O Firefox cresceu 0,19 ponto percentual no fim de janeiro, atingindo 21,5% de participação no mercado - um novo recorde para o navegador de código aberto da Mozilla. Aproximadamente 85% dos usuários da versão 3 do browser já atualizaram para o Firefox 3.0.

30/01/2009

Dell arma plano para entrar no mercado de smartphones

A Dell está planejando ingressar na arena dos celulares inteligentes já no próximo mês, produzindo e vendendo aparelhos para revitalizar uma operação afetada pela queda nas vendas de PCs. O plano também deixará a companhia em briga mais ferrenha com a Apple, publicou o Wall Street Journal.

A segunda maior fabricante de computadores pessoais do mundo, que está projetando protótipos há mais de um ano, esta focando em smartphones como os produzidos pela RIM e Apple, afirma o jornal, citando fontes próximas do assunto.

Se lançados, os celulares serão baseados nos sistemas operacionais Android, do Google, e Windows Mobile. Um dos modelos pode vir equipado com tela sensível a toques, como o iPhone, publicou o jornal.

Entretanto, a Dell não finalizou seus planos e pode abandoná-los, inclusive.

Representantes da Dell e da Microsoft não comentaram o assunto e o porta-vozes do Google não estavam disponíveis para falar.

A empresa de pesquisa IDC espera que os embarques de smartphones cresçam 8,9 por cento em 2009, numa performance melhor que o previsto declínio do mercado celular como um todo no mundo.

O presidente-executivo da Dell, Michael Dell, que retornou em 2007 para a empresa que fundou, tem explorado novos mercados, mas tentativas anteriores da empresa de se diversificar para novas áreas, incluindo um plano para venda de players de música digital, foram abandonados.

A Dell contratou Ron Garriques, ex-chefe de celulares da Motorola, para movimentar sua divisão de produtos de consumo. Por causa de uma cláusula de não concorrência, Garriques está barrado de trabalhar com celulares até fevereiro.